Please wait while JT SlideShow is loading images...
Rota das Catedrais
 

Faixa publicitária
 
Rota das Catedrais >
Grupo Técnico Coordenador
 
Grupo Técnico Coordenador

Tendo em vista a orientação técnica do projecto na fase de implementação, sua operacionalização e articulação institucional, assim como a formulação de propostas e recomendações às instituições envolvidas, foi constituído, ao abrigo do referido Protocolo, um Grupo Técnico Coordenador (GTC).

De composição paritária, foi nomeado por despacho de cada uma das partes signatárias, delegadas no Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I.P. (IGESPAR), pelo Ministério da Cultura, e na Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, pela Conferência Episcopal Portuguesa. Integra dois representantes do Ministério da Cultura e dois representantes da Conferência Episcopal Portuguesa:

  • Arq.to João Carlos Santos, em representação da Direcção Geral do Património Cultural;
  • Arq.to João Seabra Gomes, em representação da Direcção Geral do Património Cultural;

Para assessorar o GTC, foi ainda nomeada, pela Secretaria de Estado da Cultura, a Dra. Fernanda Steiger Garção.

 

 

O GTC tem por missão:

  • Propor à aprovação das tutelas a normativa gráfica identificadora do projecto, como também os instrumentos de comunicação a serem adoptados por cada uma das Catedrais, tanto ao nível da edição, para públicos alargados e/ou especializados, quanto à criação e dinamização de um portal web de acolhimento das páginas catedralícias;
  • Estruturar os eixos de actuação, ao nível de recuperação patrimonial (imóvel, bens móveis, integrados e imateriais), como ainda ao nível da valorização e dinamização da oferta cultural, ou da divulgação juntos de públicos alargados, nacionais e estrangeiros;
  • Monitorizar os projectos, em período prévio à sua submissão a concursos para co-financiamento, tendo em vista garantir a sua conformidade com os objectivos traçados para o projecto ROTA DAS CATEDRAIS;
  • Acompanhar e fiscalizar a calendarização da elaboração de estudos e projectos, da instrução das candidaturas e sua apresentação aos concursos no âmbito do QREN, bem como a respectiva execução;
  • Manter informadas as tutelas, através de relatórios com uma periodicidade trimestral, acerca do estado de desenvolvimento dos projectos e respectiva execução.