Please wait while JT SlideShow is loading images...
Rota das Catedrais
 

Banner
Música nas Catedrais 2019

There are no translations available.

Exposição “Na Rota das Catedrais - Construções (d)e Identidades” premiada pela (APOM)

There are no translations available.

A exposição “Na Rota das Catedrais – Construções (d)e Identidades...

Évora: Santa Teresa cantada em fado

There are no translations available.

Por iniciativa do respectivo Cabido, terá l...

Santarém: Quadros Vivos de Caravaggio pela Companhia Ludovica Rambelli

There are no translations available.

No próximo Sábado, dia 13 de Abril, pelas...

Santarém: Concerto pelo Gloria Boys Choir – Japão

There are no translations available.

A Catedral de Santarém acolhe, no próximo...

Bragança: «Visita Singular» nas duas Sés

There are no translations available.

Prosseguindo o programa Rota das Catedrais...

 
Destaques Leiria: Torre da Sé e Casa do Sineiro aguardam programa museológico
 
Leiria: Torre da Sé e Casa do Sineiro aguardam programa museológico
There are no translations available.

A Torre e a Casa do Sineiro que, juntamente com a Sé de Leiria, foram classificadas em 2014 como monumento nacional, aguardam um programa museológico para, pela primeira vez, abrirem ao público, após obras de reabilitação agora concluídas.
«Neste momento, estamos a tratar do programa que há-de fazer com que este lugar esteja aberto de uma forma renovada para ser visitado e ser interpretado», disse à agência Lusa o diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.
Segundo Marco Daniel Duarte, o projecto tinha as duas componentes - reabilitação e museologia - mas, «não havendo dinheiro para tudo, optou-se por avançar com a parte estrutural» devido aos danos que apresentava.
A intervenção, no valor de 300 mil euros, começou em Maio de 2014, no âmbito da Rota das Catedrais, que junta Estado e Conferência Episcopal Portuguesa, e vai permitir ao visitante subir à torre que apresenta uma «singularidade» no panorama das catedrais portuguesas: está separada da Sé, que se encontra na zona baixa da cidade, enquanto a torre está mais acima, no acesso ao Castelo.
Na torre da Sé, que ostenta o brasão do bispo de Leiria D. Manuel de Bulhões e Sousa, vai ser possível ver o carrilhão e os mecanismos do relógio, cujo mostruário é visível no exterior, mas também observar o pano de muralha antiga, onde está assente.
A casa do sineiro, igualmente recuperada, que é a porta de entrada para a torre, vai também ser musealizada.
«Esta casa é construída para albergar o responsável por dar as horas à cidade, por fazer tocar os sinos, por chamar os fiéis para as celebrações religiosas e é, inclusivamente, tomada como um dos cenários fictícios da obra de Eça de Queiroz [O Crime do Padre Amaro]», referiu o director.
O seu futuro reserva conteúdos ligados à "cultura do tempo", mas também com outro tempo, o da História da Diocese de Leiria-Fátima e como se interliga com a da cidade, explicou Marco Daniel Duarte, adiantando que no local vão estar igualmente expostos alguns artefactos arqueológicos encontrados no decurso da obra.
O responsável realçou que a História de Leiria «passa, indubitavelmente, por este equipamento arquitectónico dentro do tecido urbano da cidade, na colina que sobe ao Castelo, e que é uma das marcas mais importantes da Leiria medieval e da Leiria barroca».
Outro dos aspectos que o projeto de musealização, ainda sem data de conclusão, nem valor estimado, vai ter em conta é o facto de a torre ter sido prisão. «Ainda hoje há no imaginário do lugar a frase "vais ouvir os sinos da Sé", porque há a indicação de que, em determinada altura da História, este edifício funcionou como prisão, os calabouços da torre eram um lugar de cativeiro», referiu, realçando o facto de o tempo desta torre «ser um tempo diferente, é o tempo daqueles que estão em liberdade e também o tempo daqueles que estão em cativeiro».
Questionado por que razão a torre está separada da Sé, Marco Daniel Duarte disse que «os historiadores ainda hoje não têm cabal resposta», mas «inclinam-se para uma tentativa de explicação que parece estar relacionada com a topografia da própria cidade de Leiria». «Os vizinhos da Sé, que estavam no Arrabalde da Ponte, não conseguiriam ouvir a chamada para as celebrações religiosas. É essa uma das explicações que se dá para a torre estar fora da Sé», para que «os sinos possam ouvir-se de um lado e do outro da cidade».

Notícia: Agência Lusa / Foto: Região de Leiria